Assembleia geral da OSZ

Esta Assembleia decorreu no passado dia 21 de Outubro de 2018, em Fátima. Teve como aspectos principais a apresentação, discussão e votação do Plano de Vida e Acção para 2018/2019 e Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimento e Desinvestimento para 2019.

Foi explicado e realçado durante a apresentação dos documentos, que toda a projecção da Obra aconteceu em sintonia e em fidelidade ao espírito e à intuição que moveu o seu fundador na origem da Instituição, um espírito e um dinamismo marcadamente missionário. Foi proposto o tema: “Dar Vida à vida”, como princípio dinamizador de toda a vida e ação que a Obra, nas suas múltiplas ações de bem-fazer, que serão desenvolvidas ao longo do ano 2018/2019. A Obra que acolhe a vida Divina como principal motor a sustentar o seu carisma, tem como vocação e missão o cuidado, a defesa, a dignificação e a formação da pessoa humana, aspetos que se hão-de repercutir num maior bem da família e da humanidade. Numa perspetiva meramente humana, esta vocação e missão afiguram-se inalcançáveis, mas à luz da fé e da bondade do coração humano, estes propósitos são alcançáveis e irão informar e ‘colorir’ o acolhimento de tantas vidas humanas, desde a sua tenra idade até ao seu términus, cuidando de cada uma com empenho, zelo, dignidade, respeito, proximidade e sentido de compaixão.

“Dar Vida à vida” – foi dito que este tema vai beber o seu sentido e dinamismo ao Projecto de Vida do Instituto Secular das Cooperadoras da Família (PVI 2018/2019), cujo mote é: “Ide onde ninguém vai – Humildade e Profecia”, um imperativo que remete para o dinamismo apostólico do Fundador da Obra de Santa Zita, Pe Joaquim Alves Brás.

Sendo de Cariz Católico, a Obra faz questão de, ao longo deste ano viver em comunhão com as orientações da igreja, sobretudo a igreja portuguesa, que por determinação da CEP vai viver um ano missionário, para o qual convoca toda a igreja para missão, com o tema: “Todos, tudo e sempre em missão”. Pela sua natureza social e solidária a obra quer também ter presente outros eventos que irão decorrer em 2019, tais como: primeiro centenário do Tratado de Versailles e da Sociedade das Nações; o Ano Internacional das línguas Indígenas e o Sínodo dos Bispos para a região pan-amazónica.

Todos estes eventos e dinamismos deles decorrentes, estarão presentes em toda a vida que a Obra dinamiza e promove e em toda a ação que desenvolve, nos mais diversos contextos da sua missão, concretamente na formação que pretende transmitir, através dos diferentes meios, na expectativa de chegar a onde ninguém vai. Assim, a Obra procurará responder a necessidades concretas da humanidade, especialmente das famílias com quem se relaciona e a quem presta os mais diversificados serviços, continuando a fecundar na história o carisma que Deus confiou ao Padre Brás, na mesma atitude que levou Jesus a lavar os pés aos seus discípulos… cuidar... salvar…”. (cf. Ad Gentes, 6)

“Ide onde ninguém vai” movido pelo desejo de “Dar Vida à vida - é, como refere o PVI, deixar-se ‘tocar’ e abrasar pelo dinamismo missionário que impele a viver em estado de missão; é estar e ir, na certeza de que só Deus salva e transforma e na consciência de que somos simples instrumentos de que Deus se serve, como afirma o Papa: «Ele abaixa-Se e serve-Se de nós, de ti, de mim, para sermos o Seu amor e a sua compaixão no mundo, (...) Ele depende de nós para amar o mundo e demonstrar-lhe o muito que o ama.

“Dar Vida à vida” é o desafio que a Obra deseja abraçar com a generosidade que lhe é característica, estando atenta a todos e a “fazer o bem, bem feito”, tal como especificam as linhas programáticas do quadriénio em curso (2016-2020). Fomentar e cuidar um desempenho adequado em ordem à melhoria da qualidade que se pretende em todos os serviços é outro desafio a alcançar para que a vida surja e seja uma mais valia para todos. Acreditamos que ao melhorar a qualidade do nosso desempenho e dos serviços que prestamos, estamos também a promover a valorização pessoal e profissional de todas as pessoas intervenientes na ação da Obra e, por isso mesmo, a dar Vida à vida. Assumir um espírito inovador, requer que estejamos dispostos a ir para além do quotidiano e pensar (ou mesmo repensar) estratégias de uma inclusão contínua e de uma ação renovada e revigorada.

“Dar Vida à vida” - Esta temática incentiva-nos a fortalecer a resiliência e a continuar com espírito empreendedor a gestão de tão vasto património, nas múltiplas áreas que abrange: humana, social, comunitária, educacional, religiosa/espiritual, pastoral e ética, etc. Reflete ainda a necessidade de enfrentar, com objetividade e persistência os constrangimentos internos e externos que podem parecer comprometer a sustentabilidade das respostas que a Obra hoje oferece à sociedade, especialmente às Famílias. A vivência e o dinamismo gerado pelo seu desenvolvimento serão transversais a todas as estruturas comunitárias e respostas socio-educacionais.

Com a elaboração do plano e sua execução, a Obra de Santa Zita pretende elevar a qualidade de todas as respostas sociais, especialmente aquelas dirigidas às famílias, às crianças, aos jovens e pessoas idosas. Assim sendo, dará mais Vida à vida e melhor qualidade de vida ao futuro.